Tênis Skechers Go Run 3

Não me pergunte por que, apenas aproveite.

Super leve, só 198gr no tamanho 39 e 255gr. no 41. drop de 4mm com a palmilha e zero sem ela. Sola confortável projetada para induzir o toque no solo com o meio do pé (ao calçar dá a impressão do calcanhar estar mais a frente). Cabedal é firme, mas bem ventilado e muito bem acabado.

É um tênis que poderia facilmente e justificadamente custar o mesmo que seus concorrentes de marcas mais famosas, mas ele custa metade.

Skechers Go Run 3

Meu único porém é testar a durabilidade da sola, um outro modelo da marca se desgastou muito rápido, mas o Go Run 3 até agora não mostra os mesmos sinais. Vou ficar de olho aberto quanto a isso e escrevo daqui um tempo com mais quilômetros acumulados. Por enquanto tem me agradado muito.

Os muitos pontos de contato com o solo pode ter feito diferença entre esse e o outro modelo Skechers que tenho, pois esse com 40km ainda parece novo.

Só o fato de ser possível correr sem a palmilha comprova o bom acabamento, aliado ao baixíssimo peso e bom preço, na minha opinião se tornam bons motivos para testá-lo.

Preço sugerido: R$ 299,00

Enzo Amato

Skechers GobionicTrail

Há uns anos atrás acreditava que as únicas inovações dos tênis de corrida seriam trocar as cores, porém para minha sorte, percebi que depois do livro “Nascidos para correr” o movimento de “simplificar” os tênis tomou muito mais forma e isso só vem me surpreendendo.

Recebi da Skechers, marca americana de calçados, o modelo da linha Gobionic Trail. Já testei e deixo aqui minha opinião.

O que me chamou atenção ao tirar da caixa:

  • É bem leve para um tênis de trilha;
  • O solado e fôrma mais largos, o que faz ter mais área de contato e distribuir melhor o peso;
  • 2 em 1, é possível correr com a palmilha e ter 4mm de drop ou também sem ela para ter drop 0mm. (drop é a diferença de altura entre o calcanhar e o ante pé);
  • O solado favorece a pisada com o meio do pé, ou pé inteiro, não existe a parte côncava no meio da sola e isso ainda favorece a aderência;
  • Os cravos tem ranhuras multidirecionais.

O que me deixou preocupado:

  • Se tivesse mais cravos aumentaria a durabilidade da sola.

Ao correr:

Corri numa trilha por 3 horas logo na estreia, não é preciso amaciar, passei por chão batido, pedras soltas e lama. Me senti muito bem com ele e a todo instante fazia comparações com meu outro tênis de trilha, mais reforçado, pensando nas características que me fazem gostar dele, e não senti diferenças consideráveis, a não ser pela leveza, 227gr. que se torna um ponto muito positivo numa prova longa. Não peguei chuva nem passei por mata fechada ou areia neste teste. Esses primeiros 30km me encantaram! O solado mostrou um pequeno sinal de desgaste nas ranhuras, mas ainda é cedo para falar sobre durabilidade, depois de uma ou duas centenas de kms volto a escrever sobre ele.

Para quem pretende começar a mudar a técnica e passar a aterrizar usando o meio e a frente do pé, esse é uma boa pedida e vale entrar na lista de comparações.

Nunca havia usado um tênis dessa marca, a primeira impressão foi ótima e usá-lo nas trilhas melhor ainda! Certamente usaria em provas importantes no meu calendário, por ser leve, confortável para meu pé, ter drop baixo mas não ter a sola dura, ser bonito e trilheiro.

Depois dos 100km de corrida:

Minha única decepção foi o rápido desgaste da sola, ela ainda vai durar, mas com 100km queria que ainda estivesse com cara de nova, tá certo que usei em trilhas difíceis, mas ele continua muito confortável no meu pé por ter a fôrma larga e sem deformações. Usei nas seguintes provas até agora:

  • 80km Fiambala Desert Trail  – Argentina 05/2014 (Leia o texto) corrida toda por areia, esse é o melhor terreno para esse modelo, por ter grande área de contato com o solo não te deixa afundar demais e perder energia.
  • 30km Kailash Trail Run – MG 03/2014 (Leia o texto) corrida mais técnica que já fiz, duríssima, e o tênis se saiu bem.

Depois dos 300km de corrida: Está por vir…

Enzo Amato