Mountain Do Atacama, reta final dos treinos.

É muito frequente quando estamos prestes a participar de uma prova longa e/ou que consideramos importante termos excesso de zelo, respeito, ou como quiser chamar, e por causa desse excesso acabamos treinando demais na reta final, podendo colocar tudo a perder e chegar no dia da prova com menos energia do que deveria ou simplesmente cansados.

Ha um tempo atrás escrevi um texto com orientações para as duas últimas semanas de preparação de atletas amadores para uma maratona. Considero o texto de grande valor aos que participarão do Mountain Do Atacama, tanto nos 42 como nos 23km.

Se ficar alguma dúvida deixe um comentário.

Bons treinos!

Não esqueça de conferir o que levar na mochila e de visitar o site da prova.

Enzo Amato.

Ironman Brasil 2011, por Enzo Amato parte 1.

Deixarei registrado o relato e as impressões de cada um dos membros da equipe que participou do Ironman Brasil 2011, começo pela minha.

Parte 1, os dias anteriores.

Por Enzo Amato

Depois de 11 horas de viagem de carro de São Caetano do Sul, na grande SP, até Floripa, comecei a respirar e viver o clima da prova desde quinta a tarde. O sol e a temperatura amena prometiam uma bela festa.

Kit na mão, feliz e contente.

Logo na quinta fui pegar meu kit e visitar a feira. Não me surpreendi, encontrei camisetas oficiais a preços exorbitantes, nenhum souvenir como chaveiros ou adesivos, e fotos a preço de ouro. Mas enfim, não sou contra as pessoas trabalharem para ganhar dinheiro. Saí de mãos abanando e fui me encontrar com o Otavio, Witney e Evandro, depois de um breve bate papo, vi que todos estavam bem e fui para casa descansar.

Na sexta ao longo de todo o dia vejo muita gente treinando na rua, não sei se faz parte da insegurança, pois não consigo entender o motivo de um treino há apenas dois dias de uma prova que dura, pelo menos, 9 horas para os amadores, mas enfim descanso completamente vários dias antes da prova e oriento meus atletas para fazerem o mesmo.

Paula e eu com a Lagoa ao fundo e muito sol.

Tive tempo para fazer turismo na ilha, conhecer outras praias e almoçar um belo peixe grelhado de frente para o mar. Me sentia muito confiante e preparado para o desafio e via o mesmo nos atletas/amigos que treinei. A noite fomos para o jantar de massas, que apesar do maior número de atletas estava melhor organizado que nos anos anteriores, onde formavam-se filas enormes para servir e havia dificuldade de encontrar lugares para sentar. Salada, dois tipos de macarrão com 3 tipos de molho, filé de frango e frutas faziam parte do buffet, que era a vontade. As mesas são grandes e pessoas de diferentes grupos acabam dividindo a mesma mesa, se conhecendo e o assunto não pode ser outro a não ser, Ironman. A final de contas, onde mais você consegue reunir no mesmo local, pessoas desconhecidas que fazem uma prova dessa. Continuávamos respirando e vivendo os momentos que esperamos o ano todo.

Deixando a bike e sacolas na transição

No sábado organizei os últimos detalhes das sacolas das transições e da bicicleta que seriam entregues a tarde. Como cada um do grupo tinha que entregar as sacolas e bike em horários diferentes, e eu era um dos últimos, todos já estavam prontos quando cheguei. O staff voluntário como sempre muito atencioso e educado, conferiram meu equipamento, as sacolas, número, me acompanharam até o cavalete onde minha bike dormiria, a cobri com uma capa de plástico para proteger do clima, mais a frente um espaço coberto com várias araras onde as sacolas com equipamento de ciclismo ficava a esquerda e a de corrida a direita, logo em seguida o vestiário, alguns banheiros e a saída. Não havia mais nada a ser feito, apenas esperar mais algumas horas para a largada, mas antes juntamos a galera na casa do Witney para nosso último bate papo com nosso psicólogo, o Rafa, acabamos ficando lá por duas horas num encontro muito produtivo e motivacional, não faltaram lágrimas e emoção, depois disso nossa nutricionista, a Vanessa, ainda mensurou pela última vez o percentual de gordura de cada um. Seguimos cada um para suas casas para jantar, descansar e esperar o grande dia… (Continua no texto acima, parte 2)