Minha Maratona no Deserto do Atacama!

Por Rafaela Maurina

Provas, treinos, um tornozelo torcido, problemas na tíbia, lesão por overtraining, trabalho, férias, viagens, carnaval… enfim, tudo que norteou minha preparação até meu grande desafio: Minha primeira Maratona.

Tudo começou no dia 31/05 quando o Enzo Amato, meu treinador, enviou um e-mail para seus alunos informando sobre algumas provas… e dentre elas estava o Mountain Do Deserto do Atacama… Eram 3 opções de percurso: 6, 23 ou 42km.

Em Julho de 2012, já tinha o desejo de fazer minha primeira Maratona no Rio de Janeiro, mas o Enzo na época, me convenceu que era um pouco cedo para encarar a quilometragem devido a minha pouca experiência em corrida e o risco de lesão seria muito grande. Concordei, mas fiquei com aquilo maturando na cabeça… Sabia que de 2013 não passaria… rs

No dia 15/07/2012 as inscrições foram abertas e logo me inscrevi… olhei… pensei…e não resisti… mesmo parecendo uma loucura, me inscrevi nos 42km. Era uma desafio pessoal… um teste de resistência… de descobrir os limites…

Informei ao Enzo que havia feito minha inscrição para a prova e me lembro o que ele respondeu… “Se te conheço bem, você deve ter feito para os 42km”… é… nesse momento ele já me conhecia bem… rsrsrs

Em novembro torci o tornozelo e fiquei 15 dias com o pé imobilizado, e depois sessões de fisioterapia… Em dezembro, voltei a sentir dores no joelho, sequelas de uma lesão de Condromalacia  grau 1 e grau 3, mas uma dor na lateral do joelho apareceu, procurei o ortopedista, e veio o diagnóstico: estava com uma lesão na tíbia, provocada muito possivelmente por um overtraining…. traduzindo: estava com uma lesão por excesso de treinamento!

Precisava iniciar as fisioterapias, e neste momento, o Dr. Márcio foi muito claro: se você não cuidar dessa lesão como cuida dos seus treinos, você não vai para o Atacama! Estava a apenas 4 meses da prova, e desistir do desafio, nem passava pela minha cabeça. Comecei os tratamentos, aí vieram as festas de final de ano… viajei e no dia 02/01 estava de volta a São Paulo e disposta a voltar aos treinos… a proximidade da prova me assustava cada vez mais…e pensar nos treinos longos também…

Janeiro foi um mês complicado… retorno de festas, visita da família, comemorações do meu aniversário, viagens…. Era preciso muita disciplina para conseguir tudo… Fevereiro carnaval: 10 dias na Bahia sem treino… mas subir e descer ladeira atrás do trio ajudaram no fortalecimento muscular… rsrsrs

Em Janeiro comecei na clínica de fisioterapia um trabalho de fortalecimento muscular. No dia 14/01 o Enzo enviou minha planilha de treino… e aí começamos a trajetória…

Dia 26/01 foi meu primeiro desafio nos treinos: um longo de 25km. Primeira vez que eu iria correr mais que 21km, pois esta era a distância máxima que havia feito em provas. Estava em viagem no Rio de Janeiro e as 06:30 sai do apto e fui para a orla de Copacabana para fazer o treino. Estava muito ansiosa, pois uma das minhas maiores preocupações sempre foram as dores no joelho e não fazia ideia de como o corpo iria responder a esta quilometragem…

E lá fui eu… 1,2,3,5 Km… e a temperatura subindo… quando terminei o treino o termômetro marcava 34º… um calor insuportável… foi difícil, pesado, mas tinha um lado bom: não tive dores nas lesões!! Ali tinha ganhado meu dia! Voltei para o apto onde as minhas amigas me esperavam para irmos curtir o dia na cidade Maravilhosa e quando contei do treino, não resisti… cai em lágrimas pela primeira vitória…

Uma semana depois longão de 32km… Esse sim me assustava… quebrar a barreira dos 30km. Neste primeiro longão tive a companhia de meu grande parceiro e incentivador Jeff! As 7 da matina chegamos na estrada velha de Santos e começamos o treino, o sol estava forte neste dia… Treino pesado, mas completado dentro do ritmo que estava planejado! E mais uma vez: feliz da vida!!! Liguei para minha mãe para contar e mais uma vez me emocionei… rsrsrs

Nessa altura estávamos a mais ou menos 40 dias da prova… Quando me perguntavam qual era meu objetivo na prova, a resposta era apenas uma: completar! Mas no fundo, não era só isso… a prova tinha um tempo “limite” de 6h15 para a conclusão e no fundo não queria chegar após este tempo… sendo assim, precisaria cruzar o pórtico antes das 13:45 da tarde.

No dia 14/03 ás 21:15 embarquei rumo a Santiago para fazer a conexão até Calama. Viagem longa e bastante cansativa. No voo já haviam várias pessoas que estavam indo para a prova… dentre elas, conheci algumas muito especiais… Fernanda, Sérgio e Andrea, que mal eu sabia, seria meu anjo da guarda durante os 42km de prova. Desembarcamos em Santiago a 01:15 da manhã e a conexão para Calama era só as 06:55… Ficamos por ali mesmo no aeroporto… Alguns se acomodaram nos bancos do aeroporto, outros fizeram como eu…deitaram no chão mesmo na tentativa de descansar até a partida do próximo voo… As 07:00 o voo partiu de Santiago a Calama, foram mais 2 horas de voo, pegamos o transfer até San Pedro de Atacama, cenário de nosso desafio… Lá se foi mais 1 hora de estrada, mas a paisagem compensava a viagem. Chegamos em San Pedro por volta das 11:00.

A cidade que tem aproximadamente 2.000 habitantes, recebeu para a prova por volta de 1.200 pessoas, a cidade estava repleta de corredores e suas torcidas. A energia era incrível, por onde você andava encontrava grupos de todas as partes do Brasil. Alguns exibiam suas camisetas de super provas como Ironman, Cruce de los Andes, Comrades… por várias vezes me senti um grãozinho de areia no meio desses “monstros”… Qual era minha experiência? Provas de Meia Maratona, treinos de 32Km no asfalto em ambiente de clima úmido…

No sábado 16/3, foi dia de retirar os Kits na praça central e as 10:00 tivemos uma palestra feita pelo Kiko, organizador da prova onde ele explicou um pouco sobre o percurso, dicas de hidratação etc. Neste dia fiz um trote com o Sergio, Pedro e Adriane de uns 3Km… já deu para sentir como era a dificuldade de respirar… e isso só fez valer ainda mais toda a orientação que o Enzo havia me passado de começar muito, muito devagar… nestas condições de clima, senti que meu organismo iria demorar mais para se habituar as “adversidades”, e largar forte, colocaria em risco toda a prova.

À noite ainda conversei com o Enzo para tirar as últimas dúvidas. Voltei para o quarto, deixei todas as coisas arrumadas: roupa, tênis, chip, gel, acessórios, kit de hidratação! Hora de dormir… se é que alguém conseguiria realmente relaxar nas horas que antecipavam a prova… tomei mais uma garrafa de isotônico, pois como o clima era muito seco, tínhamos que ter atenção especial na hidratação pré prova e esta foi uma das dicas da nossa palestra.

O Grande dia:

O dia nem havia amanhecido e as 05:50 o despertador tocou… a manhã estava bem fria. Fui para a cozinha do Hostel e já haviam vários atletas esperando o café. Todos ansiosos com a prova. Tomei café e por volta das 07:00 sai do Hostel para encontrar a Andrea.

A largada seria as 07:30. Chegamos na largada e muitos atletas já estavam no aquecimento… Cumprimentos, sorrisos, desejos de boa prova… tantas histórias particulares, desafios pessoais de superação… ainda tivemos tempo de tirar algumas fotos e receber aquela última dica e incentivo do Enzo.

Dada a largada, a Andrea meu grande anjo da guarda, tinha combinado que iria comigo até o KM 29, dali pra frente ela seguiria e me encontraria na chegada. Ela já era uma corredora experiente, com algumas maratonas no curriculum, enfim… tinha um preparo muito melhor que o meu. Começamos a prova… ainda estava frio, e largamos ainda com nossos agasalhos. Os 5 primeiros quilômetros eram de asfalto… saímos da pequena cidade em direção a rodovia até entrar no vale da Lua. Largamos no final da turma. Os que largaram na frente, largaram muito forte, quando chegamos na rodovia, já podíamos avistar alguns corredores muito, muito distante.

No Km 5 paramos para ir ao banheiro e quando voltamos para a prova, percebemos que éramos as últimas… ou quase as últimas…atrás de nós só víamos um casal… a mulher era a que tinha encontrado no banheiro e ele me contou que estava correndo a Maratona em homenagem ao pai e a avó que haviam falecido em Janeiro. Ela iria dedicar metade da prova para cada um…

Rafaela, de boné laranja, e Andrea na imensidão do deserto.

E lá fomos nós deserto adentro… nós e Deus no meio daquela imensidão… lugares incríveis, paisagens impressionantes.. alguns trechos, tínhamos que praticamente escalar algumas pedras para continuar o trajeto. Areia, duna, salar… passamos por tudo!

Sentia muita dificuldade para respirar e não conseguia encaixar a respiração com a passada. O KM 15 foi um dos mais difíceis, foi o trajeto que senti maior dificuldade de respirar. Neste ponto tínhamos o primeiro posto de abastecimento de gatorade. Quando tomei o primeiro copo, senti minha garganta arder. Tinha passado a semana resfriada e ainda não estava 100%. Depois disso quando tomei água, comecei a sentir gosto de sangue ao engolir. Aí veio outra preocupação, sabia que minha garganta estava machucada e não tinha ideia do quanto isso poderia me atrapalhar até o final da prova.

A hidratação era algo que me preocupava muito. Não estava com minha mochila de hidratação…recebemos junto com o kit, o cinto de hidratação que continha 2 garrafinhas de mais ou menos 250ml, quando vi aquilo pensei: vou morrer de sede! Essa água não vai dar…mas passado o primeiro posto de hidratação, percebi que este não seria um problema com que se preocupar. Enfim… continuamos deserto adentro… sempre tentando achar o ritmo certo da passada e da respiração. E a Andrea sempre do meu lado, me puxando e incentivando. Por várias vezes eu pedi que ela seguisse na prova e me esperasse na chegada, pois eu não ia desistir! Mas ela sempre me dizia: Não vou te deixar sozinha aqui! Vou com você até o final! Um dos maiores gestos de generosidade que pude ver!

Passamos 20, 25, 30 Km… fomos deixando algumas pessoas para trás… encontramos pessoas que haviam se machucado, que já estavam com os joelhos estourados, dores musculares terríveis… mas todos guerreiros, deserto adentro! Uma das minhas preocupações era a famosa grande duna de 800m! A areia não era tão fofa, mas o pé escorrega muito. Neste ponto, uma das pessoas que estava como apoio da prova, tinha até um balão de oxigênio para quem precisasse. A coisa era pesada mesmo! Começamos a caminhada pela duna… no alto estava nosso amigo Sergio, junto com o Felipe e o Pedro. A Andrea chegou primeiro e eles começaram uma torcida para mim… Foi muito legal a energia da galera gritando meu nome e torcendo…energia extra! Venci a duna!! Mal podia acreditar que tinha conseguido… e mais uma vez me emocionei! Ali eu tive certeza que iria concluir a prova, nem que fosse me arrastando. Dali pra frente foi um sobe e desce entre morros, pedreiras e muita, muita areia!!! No meio do caminho uma energia extra: uma Pepsi geladinha!!!

As placas de demarcação da quilometragem do percurso estavam diferentes do que marcava em nossos relógios, e quando estávamos no KM 39, o apoio da prova gritava: Vamos lá, só faltam 2km. Nos perguntamos 2km??? Para nós ainda eram 3… cruzamos o vale da morte e seguimos em direção a cidade… Quando entramos numa das ruas da cidade que eu pude reconhecer o lugar, mal podia acreditar que estava chegando… quando a Andrea entrou na rua que levava até a praça me falou: “Estamos chegando, olha lá a chegada!” Olhei para frente e vi o pórtico, não conseguia acreditar… na minha cabeça, ainda faltava uma volta… mas não, faltavam menos de 300 metros até o pórtico.

Muitas pessoas na rua começaram a gritar nosso nome… pude ver o Enzo ali na torcida… e não sei de onde busquei energia, mas dei um tiro na chegada… e aí cometi a maior gafe!!! rsrsrs Fui mas não levei a Andrea… estava totalmente perdida e eufórica! Quando ela grita: “Ah, agora você me deixa para trás?”… só aí me toquei da gafe…rsrsrs… parei e disse para ela continuar e cruzar o pórtico primeiro… ela não aceitou…. me disse, vamos cruzar juntas!

E lá fomos nós… cruzamos o tão desejado pórtico! Tínhamos conseguido!! Tinha me transformado numa maratonista!!! Conquistamos o Deserto!!!

Cruzei a linha de chegada com a Andrea em 6h13, exatamente as 13:43 da tarde!!! Depois disso, desabei a chorar… é impossível descrever a sensação de concluir o desafio. Faltam palavras e demora a cair a ficha do que você acabou de fazer. Foi incrível!!!!!!!

  • Obrigada San Pedro de Atacama por nos receber e nos propiciar tantas adversidades que nos fez superar nossos limites.
  • Obrigada a família pelo apoio de sempre.
  • Obrigada ao Enzo Amato por toda preparação para a prova.
  • Aos profissionais da Fisio & Quality por todo cuidado na minha preparação e recuperação das lesões.
  • A Andrea pela amizade e doação durante a prova.
  • Obrigada aos amigos pela torcida e incentivo, vocês estiveram comigo em cada quilômetro!

Claro que o próximo desafio já tem data marcada… será daqui 2 meses… Uma nova Maratona, mas agora num cenário mais “convencional”. Outros 2 grandes desafios já estão definidos também, mas esses vou deixar para contar daqui um tempo, senão corro o risco de acordar amarrada numa camisa de força pelos meus amigos…rs

Mas posso adiantar… serão incríveisss!!!!!!!

Se alguém se animar, serão bem vindos!

Procura-se parceiros para El Cruce, Patagônia Run, Comrades… rsrsrs

Meu objetivo para as provas: Vencer meu maior adversário: Eu mesma!

Qual o meu limite? Ainda não sei…e o seu?

Alguns números da prova

  • 743 inscritos no total
  • 251 inscritos para a Maratona
  • 41 mulheres inscritas na Maratona
  • Número de Peito: 1196
  • Colocação Geral Feminina – 28ª

26 ideias sobre “Minha Maratona no Deserto do Atacama!

  1. Irei participar este ano . Gostaria de saber como é a temperatura e qual tipo de roupa para usar na maratona. nas partes de areia é mais pratico correr de tenis ou descalço e colocar o tenis novamente ? ja participei de varias maratona mas tudo asfalto. minha ultima sao paulo agora em 3.47. agradeço a ajuda.
    a entrega de kit tem venda de produtos de corrida ?

    • Reginaldo, tem que levar roupa de frio para o fim de tarde e as noites. Durante a corrida o início é frio, mas nada fora do comum, eu fui de roupas curtas sem problema, se bem que no km 6 tem um local para deixar o agasalho que você começou, se quiser. Depois de uns 15km a temperatura começa a esquentar e fica muito quente.
      Não é pra tirar o tênis, mesmo estando em areia fofa. Se precisar tirar areia tudo bem, mas não é pra correr descalço.
      Tem algumas lojas de montanhismo em San Pedro, mas não conte com isso na sua prova, leve tudo o que precisa daqui.
      Boa corrida!

  2. Rafaela! Parabéns pela prova e pelo convincente relato.

    Fui procurar (google) algo sobre o Mountain Do Atacama , e, no primeiro relato que li, fiquei com a impressão que é possível sim. Mas, tenho muito medo e preocupação, pois não fiz nenhuma maratona, nem meia maratona, somente provas de 10k. Mas em 2013 fixei a meta de fazer provas de meia e de montanhas, para estrear na maratona no Atacama, como você.

    Parabéns, Atacama 2014 lá vamos nós….

  3. Rafaela, parabéns por ter completado sua primeira maratona e também pelo relato, uma verdadeira epopéia! Você foi arrojada, estreando logo no Deserto do Atacama. Também estive lá, mas fiz “só” os 23 km, e como você também tive que superar lesões pra correr essa prova. Não conseguiria descrever a prova do jeito que você fez. Mais uma vez, parabéns e boas corridas.

  4. Sensacional o relato… parabéns pela Prova!
    Realmente emocionante e rico em detalhes… São essas histórias que nos motivam a continuar a fazer o que amamos… nos desafiar.

    • Oi Otávio!! Muito Obrigada!
      Os aprendizados que estes desafios e superações nos trazem, são para a vida toda… e vão muito além do esporte!
      Abraços,

  5. Querida, Rafa. Adorei seu relato! Sua determinação e seu empenho em concluir a prova foram exemplo pra mim. Adorei correr ao seu lado, parceira! Agora, preparação para os próximos desafios e conte sempre comigo! Beijão

  6. Rafa

    Simplesmente Fantastico!
    Voce e a prova viva da determinacao e superacao aqui no seu depoimento sobre a sua Maratona e sua visa de atleta e apenas a ponta do Iceberg!
    Rafa sua determinacao em tudo o que fez faz e fara na vida sempre sera no minimo muito acima da media
    Parabens do amigo que sempre esta aqui torcendo por voce ( alias vc como sempre revelando surpresas agora tambem e uma boa narradora de historias)
    Um grande beijo

  7. Rafaela,
    Sua crônica está sensacional, bem escrita e cheia de detalhes………
    Emociona quem lê!
    Agora você deixou de ser um grãozinho de areia……
    e vai andar por ai com a camiseta da prova……”como monstros”……rsrsrs
    Parabéns pela conquista, mostrou que é guerreira!

    • Oi Witney!
      Depois de ler o seu texto, me inspirei a escrever e compartilhar minha história…
      Digamos que agora deixei de ser o grãozinho e me tornei uma pedrinha… mas bem casca grossa… hahahhahaha
      Valeu!!
      Muito Obrigada :)

  8. Rafa, lindo o teu depoimento! Parabéns!!
    A corrida foi incrível para todos nós! A Andrea foi um anjo realmente!
    Venha para a maratona de Porto Alegre! Venha! Venha!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>