El Cruce, para ajudar quem vai.

Tive o prazer de correr em 2010, no simpósio do dia anterior descobri que tinha sido o primeiro ano que a chuva se tornaria obstáculo, e ela causou a desistência de muitas duplas naquele ano.

O único segredo do El Cruce é ser persistente e não ter frescura, partindo do pressuposto que o/a atleta já seja resistente na corrida, tenha os equipamentos e alimentação de reserva. A prova é bem organizada, mas as vezes a natureza testa os limites até da organização resultando em perrengues para os atletas, mas nunca se esqueça desse mantra, ser persistente e não ter frescura.

Fiz os 3 dias com 1 par de tênis bem molhado, pelo percurso e pela chuva constante largar com um par seco não duraria 1km. Levei fralda de pano para limpar o corpo no lago, mas no lago ou rio NÃO pode usar sabão, sabonete ou xampu porque contamina a água (você escolheu correr na natureza, a culpa não é dela) só água vai limpar. Lenços umedecidos porque a água está fria? Ok, mas descarte em local adequado! Alguns atletas nem sequer tomam banho durante os 3 dias de prova. Lembre, ser persistente e não ter frescura!

Tenha o equipamento correto, não precisa ser o mais caro, mas o certo. Camadas para o frio durante a corrida e um bom agasalho para o acampamento. Aprenda a viver com pouco, tudo vai ter que entrar na caixa que eles dão, se você precisar de mais espaço é porque ainda não acertou.

Magno e eu, de boné branco.
Chegada do 2º dia.

Cuidado com os pés durante a corrida, vaselina, hipoglos, esparadrapo ou o que quer que costume usar, entre etapas procure deixar ao ar livre e limpos.

A prova é muito cheia e em alguns pontos de afunilamento o congestionamento é pra valer, como pontes, travessias de barco, rios e o que quer que eles tenham preparado para este ano, pois o trajeto sempre muda.

No primeiro dia todos estão ótimos e correndo a toda velocidade, já no segundo e terceiro é que se separam os homens dos meninos, ou as mulheres das meninas, portanto seja cauteloso no primeiro dia, nos outros o início é de muita dor, mas depois passa ou você se  acostuma. Lembre persistência e sem frescura!

Bastão é muito útil a partir do segundo dia, mesmo que você não esteja acostumado qualquer um consegue usá-lo como muleta quando a dor nos joelhos ou o cansaço estiverem te matando. Usar como os profissionais exige prática, como cajado não.

Coma e beba logo após as etapas, quanto antes fizer melhor é a recuperação, alguns vão levar os pós mágicos, mas eu não abriria mão do churrasco que eles servem, é espetacular. Não preciso dizer que durante as etapas também é preciso comer e beber.

Leve comida reserva na mochila, a etapa pode durar um pouco mais do que o previsto, mas você garante a energia.

Tenha todos os equipamentos obrigatórios, sua segurança está em jogo. Ninguém tira os freios da bicicleta para ela ficar mais leve… Tem ciosas que simplesmente não valem a pena!

  • Curiosidade: O nome da prova é El Cruce e não mais Cruce de los Andes como já foi no passado. Tiveram que mudar, pois esse já era o nome de outra prova de corrida na Argentina, um revezamento de 500km que vai de San Juan a La Serena e vice e versa cruzando a fronteira a mais de 4mil metros de altitude.
Clique para ler como foi minha prova com detalhes logísticos inclusive.

Espero que seja uma linda prova como sempre é. Você pode se deslumbrar ou se apavorar com o visual e com a força da natureza, se adapte e lembre que a persistência não vai te deixar pelo caminho.

Comemore muito sua chegada, é merecido!

Enzo Amato

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>