Ecomotion/Pro em números.

116h 9min tempo de prova da equipe campeã.

A estimativa dos organizadores era de 80h, ou seja, a navegação foi mais difícil que o esperado.

As equipes tinham até 145h (7 dias) para completar os 620km, podendo ser *cortada uma ou duas vezes em alguns trechos, para concluir o percurso dentro do tempo.

*cortar caminho por orientação da organização, para concluir o percurso dentro do tempo. É como se a equipe ficasse “uma volta atrás” das que não tomaram corte.

32 equipes e 128 atletas.

24 equipes completaram o percurso, porém apenas 3 delas sem corte.

1 mulher em cada equipe (exceto a Issy Triathlon que veio com 4 homens querendo participar e não competir).

12 países representados (Brasil, Uruguai, Argentina, Colômbia, Paraguai, Costa Rica, Canadá, França, Suécia, Espanha, China e Nova Zelândia).

10º ano de Ecomotion/Pro sempre em lugares diferentes do nosso Brasil.

45 PCs (pontos de controle) as equipes passam completas por cada ponto. No caso de corte, a equipe é orientada a seguir para um PC mais avançado cortando caminho, mas ainda por seus próprios meios.

É proibido qualquer tipo de aparelhos de GPS. (a organização forneceu um localizador para cada equipe “yellowbrick” para monitorar a localização das equipes, por questões de segurança e para os torcedores seguirem suas equipes em tempo real através do site do evento).

Distâncias em cada modalidade:

  • Trekking               169,2km = 27%
  • Coastering             11,2km = 2%
  • Mountain Bike       277,2km = 45%
  • Canoagem           153,5km = 25%
  • Natação                    3,5km = 1%
  • Travessia em barco 6,2km = 1%
  • Técnicas verticais    0,1km = 0%
  • Caving                      0,3km = 0%

Sequência das modalidades durante a prova:

  • 4km canoagem;
  • 65,2km trekking;
  • 3,5km natação;
  • 35,9km canoagem;
  • 2,8km trekking;
  • 10,6km canoagem;
  • 73,6km mountain bike;
  • 78,9km trekking;
  • 80km mountain bike;
  • 5,3km trekking;
  • 0,3km caving;
  • 50m técnicas verticais;
  • 27,4km trekking;
  • 49,2km canoagem;
  • 130,4km mountain bike;
  • 54km canoagem

= 621km sem contar os erros na orientação cartográfica que é bem comum.

15 transições de modalidade.

A organização começa os trabalhos 6 meses antes da prova.

Mais de 150 profissionais envolvidos nas seguintes áreas:

  • Administrativa / Institucional;
  • Levantamento de percurso e atualização de mapas;
  • Produção;
  • Comunicação;
  • Transmissão online;
  • Captação e edição de imagens;
  • Fotógrafos;
  • Rádios;
  • Médica;
  • Resgate;
  • Logística;
  • Motoristas;
  • Ação social;
  • Fiscais de prova;
  • Técnicos de cada modalidade;
  • Assessoria de imprensa;
  • Direção de prova;
  • Direção de conteúdo.

A estrutura:

  • 9 ônibus;
  • 10 carros;
  • 2 vans;
  • 5 caminhões;
  • 80 caiaques;
  • 6 lanchas de segurança.

Foi uma grande oportunidade poder acompanhar de perto tanto os atletas quanto a organização, a logística é muito complexa dos dois lados e realmente o espetáculo é digno do esforço, capacidade de superação e dedicação de todos.

Enzo Amato

Como foi a prova.

Conhecendo o Ecomotion/Pro 2013

Ecomotion/Pro 2013 foi bárbaro e da Barbara!

Maior vencedora do Ecomotion/Pro, Barbara Bomfim revela que navegação foi o grande diferencial para chegar ao título

A tarefa de superar a Seagate, campeã mundial e atual líder da Adventure World Race, parecia uma tarefa inglória. Só parecia. A vasta experiência na competição e o excelente condicionamento físico de Barbara Bomfim foram fundamentais para desbancar a equipe neozelandesa e alcançar seu terceiro título consecutivo no Ecomotion/Pro, sendo os dois últimos pela hispano-brasileira Columbia Vidaraid.

Barbara e Urtzi após chegada em Comandatuba, com 620km e 116h de prova nas costas.

Ao lado do namorado Urtzi Iglesias, do brasileiro Marco Amselem e do espanhol Jon Arambalza, Barbara deixou a Seagate para trás já no segundo dia de competição. Desde então se manteve na liderança isolada, chegando a abrir cinco horas de vantagem em um dos trechos da prova. Ao falar sobre a receita de sucesso, a brasiliense demonstra toda a sua humildade e reconhece o talento dos rivais.

“Não achávamos que poderíamos superar a Seagate. Eles têm um nível muito alto e lideram o ranking mundial. Fiquei um pouco mais animada quando soube que o navegador oficial deles não viria. O cara é fera e muito importante para guiar a equipe. O fato de ser no Brasil também era um ponto a nosso favor. Ainda assim, durante a prova, achávamos que eles poderiam nos passar a qualquer momento. Foi uma grande surpresa ir percebendo ausência de pegadas, o que indicava que ninguém tinha passado. Eles se perderam muito e isso foi fundamental para a nossa vitória”, explica.

Barbara participou de sua primeira corrida em 2001. Desde então se apaixonou pela aventura e passou a conciliar a carreira de engenheira ambiental com a de atleta. Treina em média duas horas por dia e se aplica mais nos fins de semana. O fato de namorar um companheiro de equipe também ajuda a se dedicar ao esporte.

“A experiência que ganhei em todos esses anos foi fundamental para conhecer meu corpo e principalmente ter controle mental. Em uma prova longa como essa nós chegamos a ter alucinações. A maturidade, junto com a preparação, foi o principal ponto para me ajudar a alcançar essas três conquistas”.

Leia outros textos sobre o Ecomotion/Pro 2013.

Ecomotion/Pro 2013 é pra poucos, mas é de todos.

Em cada um dos 7 dias de Ecomotion/Pro as equipes e atletas me surpreendiam cada vez mais. A primeira equipe chegou ao Hotel Transamérica Comandatuba com 126h de prova tendo dormido apenas 6h acumuladas nesse período. Tinha poucas oportunidades de vê-los pelo caminho a cada dia para trocar algumas palavras, e quando os via, estavam cada vez mais sujos por fora e sem frescuras por dentro, alguns com raciocínio e fala mais lenta, outros ainda com ânimo para responder à perguntas, enquanto outros não abriam mais a boca a não ser para comer.

Toyota Adventure Team Costa Rica – CRI

É um esporte onde aquele espírito de equipe intangível e citado da boca pra fora na sala do escritório não funciona e não serve, no Ecomotion/Pro as palavras comprometimento e equipe são literalmente levadas ao extremo, caso contrário eles simplesmente não terminariam a prova! Estão sempre no limite de tudo, precisam pensar e tomar decisões que podem levá-los a um caminho muito mais longo, gerar muito mais cansaço psicológico e atrito entre eles derrubando o moral. Alguém pode se machucar e todos precisarão ajudar, afinal a equipe avança ao ritmo do mais lento, mesmo que o mais lento esteja ótimo.

Harpya – RJ

Para atletas que estão acostumados com esportes individuais, a corrida de aventura é outro mundo. É preciso que cuidem uns dos outros, além de si mesmos, que todos entendam a importância de incentivar no seu momento de alta sabendo que será incentivado no momento de baixa e até quando os atritos acontecem, saber que devem ser superados sem espaço para ressentimentos, e dessa forma todos avançam! Não é sobre ter parâmetros físicos e se guiar por eles, a corrida de aventura é enxergar o quadro todo, a arte de manter o equilíbrio em muitas variáveis mesmo estando no limite em todas elas.

Equipe BMS Multisport – DF

O Ecomotion/Pro é a evolução do ser humano atleta e por isso, um dia, quero fazer essa prova como um aprendizado pessoal, se vou gostar, odiar, me superar, ainda não sei, mas em qualquer situação será um aprendizado.

Parabéns aos campeões do Ecomotion/Pro 2013, que a meu ver são todas as equipes. Sou fã de todas!

Enzo Amato.

 

Columbia Vidaraid

Quasar Lontra Kailash – SP

Seagate – NZL

Ecomotion/Pro 2013 caça aos líderes.

Hoje pude ver duas equipes, a Seagate, da Nova Zelandia e a Quasar Lontra, de Brasília. Bem na hora em que as equipes acabavam de romper as 72h de prova, com apenas algumas horas de sono acumuladas nesse período.

A primeira era forte candidata, mas por alguns erros do início acabou perdendo posições e agora disseram que estavam na prova para terminá-la, mesmo assim ainda entre as primeiras.

Já a Quasar Lontra pareciam bem animados de, naquele momento, estarem na quarta colocação.

Naquele ponto eles já haviam feito:

  • 4km de canoagem
  • 65km de trekking
  • 3,4km de natacao
  • 36km de canoagem
  • 2,8km de trekking
  • 10,6km de canoagem
  • 73km de mountain bike
  • 79km de trekking, quase por terminar.

Tínham ainda pela frente 80km de mountain bike, 5,3km de trekking + caving e técnicas verticais, 27km de trekking, 49km de canoagem, 130km de mountain bike e finalmente 54km de canoagem.

Isso realmente é pra poucos, mas que pode ensinar a muitos sobre perseverança, persistência, trabalho em equipe etc… Estou ansioso para saber como será o desfecho dessa prova incrível.

Acompanhe em tempo real todo o trajeto das equipes, seus erros, acertos e rotas através de um localizador que eles carregam consigo e que ajuda a organização a saber onde eles estão e a nós a acompanhar de perto o Ecomotion/Pro 2013.

Enzo Amato

Ecomotion/Pro 2013, os líderes.

Hoje, com 48h de prova foi a primeira vez que pude ver a equipe que lidera o Ecomotion/Pro 2013.

A equipe Columbia Vidaraid composta por 2 brasileiros e dois espanhóis, pararam no primeiro dos quatro pontos de descanso obrigatório. Isso mesmo, pararam para descansar (dormir) pela primeira vez em 48h de atividade física ininterrupta. As equipes precisam acumular pelo menos 8h de descanso ao longo dos 620km, algumas conseguiram o “benefício” de dormir apenas 6h, de acordo com as posições alcançadas no prólogo. Dessa vez os líderes pararam por 3h, tempo usado para banho, troca de roupa e sono, mas ao invés de comer as quentinhas que os esperavam na mesa, optaram por enfiá-las nas mochilas para comer em outro momento. A equipe era muito alinhada na comunicação, nos procedimentos e horários, e nem o cansaço quebrava a formação. Disseram que o sono havia sido reparador, pois o raciocínio já estava prejudicado e que os pés estavam bem.

Aparentemente não parecia que estávamos na terça ou que a corrida havia começado domingo e que aquele foi o único descanso que eles tiveram nesse tempo. Surpreendente! Enquanto isso, as equipes com foco em completar o desafio passavam em pontos que os líderes haviam passado 24h antes.

Estou ansioso para ver outras equipes entrando no terceiro dia de prova.

Acompanhe em tempo real todo o percurso das equipes, seus erros e acertos de navegação e a colocação de cada uma.

Veja também as fotos da competição na fanpage do MidiaSport: www.facebook.com/MidiaSport.

Enzo Amato

Ecomotion/Pro 2013. Bikes perdidas.

Logo na chegada ao aeroporto, em Ilhéus, o primeiro causo, que para uma das equipes francesas, a Vaucluse Aventures Lafuma, devia ser o primeiro teste psicológico. Os organizadores passaram no aeroporto para me levar e aproveitaram para pegar as 4 bikes que estavam vagando em conexões em aeroportos diferentes dos seus donos. Isso foi domingo às 15 horas, sendo que a prova havia começado 4 horas antes, às 11. Eles só souberam que as bikes estavam no aeroporto momentos antes da largada.

Fui o primeiro a ver que eles teriam suas bikes depois de fazer 4km de canoagem, 65km de trekking, 3,5km de natação, vestidos e carregando as mochilas, mais 35km de canoagem, e que poderiam seguir na prova. É uma prova pra quem tem nervos de aço.

Siga a prova em tempo real. As equipes carregam consigo um localizador e por isso conseguimos saber por onde passaram, onde erraram a navegação e onde estão agora.

Veja também as fotos da competição na fanpage do MidiaSport: www.facebook.com/MidiaSport.

Enzo Amato

Ecomotion/Pro 2013, 36h e ainda sem dormir.

Passadas quase 36 horas de prova pude acompanhar alguns detalhes interessantes para o pessoal apaixonado por corrida, triathlon e provas longas.

Equipe se prepara para enfrentar 3,5km de natação com equipamentos e mochilas, após 65km de trekking precedidos de 4km de canoagem.

A logística é impressionante e não exite turista nem garotos nessa prova, ela realmente é a mais top corrida de aventura. A exigência física e emocional é enorme. O investimento é muito grande, os equipamentos são de primeira, como bikes, mochilas, tênis, vestimenta, e fora os equipamentos ainda tem a viagem, o excesso de bagagem, os lugares para acomodar cada equipamento durante a viagem pelo país e durante a prova, a quantidade de tralha, pensar em várias transições, pois eles remam, pedalam e correm mais de uma vez durante a prova e em cada uma dessas vezes precisam montar, usar, desmontar e guardar, nesse meio tempo precisam comer, enfim, é realmente muita coisa e a capacidade de improviso e planejamento também impressiona, vi equipes nadando com boias, outras com nadadeiras, mas com os pés em frangalhos as nadadeiras não ajudaram como poderiam.

Agora vou tomar banho e dormir enquanto eles continuam no caminho.

Veja como estão as equipes em tempo real

Outros textos sobre o Ecomotion/Pro 2013

Amanhã tem mais.

Enzo Amato

Ecomotion/Pro 2013, detalhes e estratégias.

Numa prova de 6 dias non-stop com 620km, muitos “detalhes” podem, e fazem diferença na classificação, deixo alguns desses detalhes e pontos de vista que me foram gentilmente explicados pela Talita, uma atleta de aventura que conhece boa parte dos atletas que estarão no Ecomotion/Pro 2013.

A novidade para 2013 é que as equipes estarão sem equipe de apoio, ou seja, terão que se virar sozinhos para comer, montar e/ou consertar equipamentos e fazer as transições de modalidade. As estratégias são variadas e plano A e B já devem estar pensados, mas serão escolhidos a partir do recebimento do mapa da prova, um dia antes da largada que acontece neste domingo 11/8. Ou seja numa prova onde mal se dorme, eles já começam a corrida com privação de sono pois ficarão a noite toda analisando o mapa. É certo também que cada estratégia pode variar ao longo da prova dependendo de como os integrantes da equipe se sintam.

O que, quando e como comer? Cozinhar, comer no caminho ou comprar comida em restaurantes ao passar pelas vilas? Esse será um ponto interessante pra ficar ligado, veremos como as equipes vão otimizar o tempo e conseguir recarregar as energias.

Longos trechos de trekking e canoagem castigam pés e mãos, se um dos atletas sofrer com bolhas ou tiver algum inconveniente, poderá atrasar toda a equipe, e isso pode interferir muito no psicológico dos atletas, no comportamento e trato entre eles.

Que estratégia adotarão para dormir? Alguns podem optar por dormir de 1 a 2h por dia, outros tentarão parar só a partir do terceiro dia. A falta de sono deixa tudo mais intenso e erros na navegação são frequentes, sendo esse, outro ponto muito importante nas corridas de aventura.

Direto da Costa do Cacau, no sul da Bahia vou ficar ligado no que rola durante a prova que larga no Domingo dia 11, às 11 da manhã e só termina Sábado dia 17. Fique ligado aqui no Blog!

Como é a prova?

Veja como foi.

Enzo Amato

Conhecendo o Ecomotion/Pro 2013

O Ecomotion/Pro é uma prova de aventura ininterrupta com aproximadamente 6 dias de duração e cerca de 620km onde equipes de 4 atletas, com obrigatoriamente 1 do sexo oposto, devem se orientar para passar nos pontos de checagem espalhados pelo percurso, que é divulgado só no dia anterior. Trekking, mountain bike, canoagem, técnicas verticais e muita orientação, sem GPS claro, são algumas das modalidades da prova que é autossuficiente. A organização só ajuda as equipes levando as bikes, caiaques e equipamentos que devem caber numa caixa de 100L para os pontos de início das modalidades citadas. Existem alguns pontos obrigatórios de descanso, chamados de dark zone, e pontos de corte, onde a equipe é orientada a cortar caminho para não ultrapassar os 7 dias de prova que é o tempo limite. A equipe faz a prova inteira junta, são pessoas fortes tanto física quanto mentalmente já que com tanto tempo de prova os nervos ficam a flor da pele, e ficar perdido ou fazer um trajeto mais longo são os temperos comuns da prova, onde mesmo os favoritos podem ficar pra trás.

A prova faz parte de um circuito mundial, ARWS – Adventure Racing World Series que em 2013 engloba 7 provas e a etapa brasileira será no sul da Bahia, na costa do cacau. As equipes largam de Itacaré, mas a base e organização do evento ficam em Comandatuba de 9 a 18 de agosto, local da chegada.

É organizada por ex-atletas de aventura e por isso podemos esperar um perrengue daqueles para os atletas, muito calor e lindas paisagens, mesmo porque acho impossível fugir do calor e lindas paisagens estando no sul da Bahia.

Estou muito curioso para ver o que eles comem, como cuidam dos pés com tão poucas paradas e tantos kms, como lidam com as adversidades etc…

Tem alguma curiosidade ou pergunta que você gostaria de fazer aos atletas ou organizadores? Me escreva que corro atrás.

Aguarde as novidades aqui no blog durante a semana, direto de Comandatuba.

Possíveis estratégias das equipes.

Ecomotion em números.

Como foi a prova.

Enzo Amato