Volta dos Romeiros 2015

Em 2013 teve chuva, em 2014 muito sol, como será em 2015?

Data 21/03.

A corrida tem vários pontos positivos, e posso citar quatro que fazem diferença.

  1. A prova é legal para quem quer experimentar uma prova de trilha, já que não há necessidade de investir em equipamentos específicos como mochila e tênis e tem postos de hidratação no percurso, que facilita a logística de quem tem pouca prática nesse tipo de prova, ou seja, é uma ótima oportunidade para experimentar correr na natureza sem riscos ou grandes preocupações;
  2. A organização é bem engajada em sustentabilidade, natureza e esporte, por isso não espere uma corrida sem subidas ou descidas e nem pense em jogar lixo na trilha, começou com sachê de gel, volte com ele. As provas de trilha tem características um pouco diferentes das de rua, como não entregar copinhos plásticos. Você deve carregar sua caramanhola ou cinto de hidratação e encher nos postos de abastecimento;

    No percurso da Volta dos Romeiros 2014
    Foto: Marcelo Fim / MidiaSport

  3. Visual lindo demais para uma prova que não exige muitos equipamentos ou experiência. Chegar no topo de uma serra correndo é energizante (foto acima);
  4. Para quem mora na grande SP e arredores dá pra acordar cedo e ir para a largada, como em qualquer outra prova dentro da cidade, mas ao invés de perder tempo para tentar estacionar você vai trocar por tempo de estrada, já que estacionar é super fácil e não tem flanelinha.
  • Recomendo fortemente, caso haja sol, que vá com óculos de sol e boné / viseira por causa do reflexo do sol no percurso, nunca senti tanto incômodo nos olhos como lá e nunca me arrependi tanto de ter ido sem óculos.
  • Quem vai correr forte, largue na frente, quem vai mais de boa largue um pouco mais atrás, pois alguns afunilamentos vão acontecer em algumas partes logo no início.
  • Com sol, dá pra ir tranquilamente com qualquer tênis, já na chuva os cravos dos tênis de trilha podem fazer boa diferença nas descidas e partes mais técnicas.

Veja como foi em 2014, com direito a um capote quando descia sem freio a 4min por km.

Visite o site do evento, e comece com boas histórias seu calendário de corridas em 2015.

Enzo Amato

Volta dos Romeiros 2014

Eu já sabia!

Não esperava nada fácil, já que são os mesmos organizadores da maior corrida de aventura do país, o Ecomotion/Pro com 600km. Sabia que eles iam aprontar e caprichar tanto nos 5 e 10 como nos 21km, e não deu outra! Prova ideal para iniciantes e avançados, e não pense que pode subestimar se já faz 21km no asfalto, pois aqui precisei de 50% mais tempo que minha última meia maratona no asfalto dentro da mesma faixa de batimentos.

Foto: Marcello Fim / MidiaSport

Fiz os 21km pensando em usar como treino para uma prova mais longa do meu calendário, por isso, já que a distância não era meu desafio queria que a intensidade fosse, pensei em correr com 170 batimentos de média, que no meu caso é 25 batimentos abaixo do meu limite, é a mesma frequência que fiz a meia de SP no asfalto, mas enquanto no asfalto o determinante é a cadência de passadas e ritmo, na trilha é basicamente força, equilíbrio e agilidade, sendo que, se a força vai acabando ela compromete os outros dois. (corredores iniciantes ainda correm confortavelmente com batimentos altos, mas isso muda com a prática, para eu chegar a 170 preciso fazer força).

Foto: Marcello Fim / MidiaSport

Diferente de 2013, que choveu, esse ano o sol estava a pino e o percurso bem seco, o que deixava as pedras soltas e aumentava o risco de escorregões e quedas. A primeira metade da prova de 21km foi BEM DIFÍCIL, para os que fizeram 10km, os primeiros 2/3 foram os piores, apesar de vários trechos em estrada de terra, tinha muitas subidas que exigiam muita força, afinal o desnível acumulado era de mais de 1000 metros, do alto do morro era campo aberto e a paisagem sempre ajudava e motivava, várias descidas íngremes, single tracks, pedras, pasto sem trilha e só o último km de asfalto. Andei nas subidas mais difíceis e fui cauteloso nas descidas mais perigosas, apesar de ver corredores muito bons passando como raios nas descidas. Lá pelo km 12, numa descida até que fácil, tropecei e caí, como pode ver no vídeo, ralei um pouco o braço, mas nada que me atrasasse, continuei firme até o final com o sol castigando bastante.

Essa é daquelas provas em que o grau de esforço é medido pela duração e não pela distância, em 2015 vale escolher a sua com base no percentual que citei acima podendo facilmente variar para mais.

Concluíram 198 atletas nos 10km, 156 nos 21km e 53 nos 5km. (Veja os resultados)

As fotos estão disponíveis no MidiaSport e o vídeo que fiz enquanto corria está no ar. Clique para assistir. Consegui filmar todas as variações do percurso, o terreno e muitas paisagens bonitas.

Foto: Marcello Fim / MidiaSport

A prova tem cara, cheiro e clima de interior, Pirapora do Bom Jesus fica a 60km de SP e em 1h estava estacionando o carro no centro, sem flanelinha por perto. Se você esteve lá deixe sua opinião, ela pode ajudar outros corredores ano que vem!

A Volta do Baú 14/6 promete ser mais desafiadora, palavras da Shubi!

Enzo Amato

Foto: Marcello Fim / MidiaSport