Vulcano Ultra Trail 2014 (VUT) en español.

La subida del km vertical me mató, más de dos horas de feroz y constante inclinación encarando el volcán de frente para sumar 8km a la corrida, no era ni el principio ni el fin, faltaban 12km todavía. El lago todos los santos junto con otros volcanes y montañas nevadas me rodeaban, era necesario detenerse para mirar, la bajada fue tan violenta para las piernas trémulas que no permitía desatención o contemplación, solo agilidad y fuerza. Los 35km me llevaron más de 5hs y después de todo, sin que nos hubieramos puesto de acuerdo, todos coincidían: fue dura, pero linda.

La corrida de 35km empezó a las 9hs, salimos de Puerto Varas a las 6.45 en ómnibus para llegar al Parque Nacional Vicente Pérez Rosales, el más antiguo de Chile, una hora más tarde. Como ya tenía casi todo listo pude ver pasar al grupo que ya corría los 80 y 64km, iniciados a las 3 y a las 6 de la mañana respectivamente, pasaban a pasos lentos bordeando el lago, que se parecía más a una playa de arena fina y oscura, eran en realidad piedras volcánicas que un día bajaron del volcán Osorno 2600mts arriba.

Quebrada Jurásica

Empecé fuerte, sabía que algunos trechos eran más difíciles y sería complicado pasar a los más lentos, la cámara estaba en el bolsillo de la mochila, pretendía usarla en puntos relevantes de belleza o dificultad, tracé en mi cabeza que sería una corrida de 23km, punto de retorno de la subida, a partir de ahí sería solo bajada y sabía que la soportaría incluso cansado, por eso forcé el rítmo para una corrida corta, de a poco fui dándome cuenta que tenía que sacar la cámara en todo momento para mostrar lo que sucedía y por donde pasaba: flores, bosques, senderos estrechos, bajadas, subidas, de todo y un poco más, terreno difícil para avanzar, en el km 5 e 6 subía por un rio seco llamado quebrada jurásica, con grandes piedras y desniveles que exigían el uso de las manos como apoyo, el rítmo cayó bastante y de repente veía el lago y las montañas, otra vez saco la cámara y comienzo a mostrar, hacía más calor de lo que imaginé, pero todavía tenía que subir el km vertical en la segunda mitad de la prueba y esperaba más frío, seguí corriendo al límite, pero la corrida, en su parte “más fácil” se mostraba un verdadero desafío de trail running, con variedad de recorrido, solo faltó que lloviera o nevara para complicarlo más.

Era mi turno de bordear el lago y ser observado por el grupo que haría 15km y largaría en pocos minutos, pasé por el punto de abastecimiento, cargué agua, comí frutas secas y partí para la parte más difícil, sin comillas. Ya cansado, más pesado por el agua en la mochila, corriendo en arena y en subida, la impresión era de que no salía del lugar, de a poco el terreno fue cambiando y la inclinación aumentando, en cierto trecho subía en piedras enormes y por suerte, ese dia, secas y adherentes. La cima del volcán aparecía entre nubes y antes de estas, bien pequeños, otros corredores, la cámara salió del bolsillo varias veces, podía ver el lago y las montañas cada vez más alto, corredores pequeños en la altura y corredores pequeños abajo, con casi 4hs de corrida, siendo dos de estas solo para subir 8km y llegar a los 1170mts.

Foto: Paolo Avila

Llegué al punto de retorno, chequearon mi número y empecé a bajar, pensé que podría hacer buenas imágenes de la bajada con el volcán de fondo y el lago adelante, pero me sorprendió el grado de dficultad del terreno, con piedras sueltas y una inclinación que nunca había corrido antes, en determinado trecho bajaba fuerte y me di cuenta que no podía frenar, mi velocidad aumentaba cada vez más al punto de no saber que hacer en los próximos pasos, hasta que un punto de elevación apareció y pude parar, me quedé más atento y con la adrenalina a mil, quería más, quería llegar hasta los corredores que estaban adelante, sabía que podía bajar bien a pesar del cansancio, seguí firme, piedras entraban en mis zapatillas y recordaba las polainas que quedaron en casa,

Foto: Paolo Avila

pasé la alfombra, tomé agua, comí frutas secas, me detuve, saqué las piedras y a partir de ahí eran 5km planos, cada vez más cerca de la entrada del parque y por donde pasan las personas, ya no eran los senderos marcados por los corredores, de nuevo parecía arena de playa que me detenía, pero la mente hacía que el cuerpo corriera hasta el final.

Llegué deslumbrado con lo que 7 amigos pudieron organizar después de volver de una linda corrida en la que habían participado, en una charla de bar tuvieron la idea de organizar una corrida en su región y así nació VUT, y con apenas 2 años alcanzaron el número establecido por el parque de mil corredores y fue una de las mejores y más difíciles competiciones de trail running de las que participé, teniendo en cuenta organización, ciudad sede, recorrido y paisaje. Fue una corrida de corredores para corredores, como a ellos les gusta enfatizar. Lastima que los organizadores decidieron no correr y solamente trabajar, creo que ni pudieron probar el ceviche de salmón con palta que fue ofrecido por uno de los patrocinadores a los corredores en la llegada, ni la cerveza artesanal o los chori pan…aproveché el masaje con kinesiólogos, me quedé 10 minutos con las piernas en el lago, vi la llegada emocionante de muchos, tomé el ómnibus y volví al hotel.

Para 2015 pretenden crear un recorrido de 100km bordeando el volcán, que otorgue 3 puntos en la UTMB y dos distancias más que den 1 y 2 puntos, además de los 15km como desafío para los debutantes en senderos. Entre los mil participantes, 14 países estaban representados, más de 30% eran mujeres y había 66 brasileros.

Como llegar: De Santiago, un vuelo al sur de 1h15 hasta Puerto Montt, después media hora en auto hasta Puerto Varas, una ciudad de 40mil habitantes con lindos hoteles, buena comida, variedad de paseos turísticos con paisajes y naturaleza.

Lo que usé:

  • Zapatillas: The North Face Ultra Trail;
  • Medias: 2 pares de poliamida Quechua y Nike;
  • Calza: Adidas running;
  • Camiseta térmica Nike y primera piel Columbia;
  • Mochila: Diosaz 10 Quechua. Donde llevé un rompe viento Montagne, primera piel Ansilta y guantes Quechua;
  • Lentes de sol: Briko;
  • Reloj: Polar V800;
  • Cámara: GoPro Hero 2.

El video con subtitulos en español.

Hasta la próxima!

Enzo Amato

100km chegou a hora, Ultra Fiord.

Passei dois anos correndo provas cada vez mais longas para pensar em escolher uma de 100km em 2015 e a verdade foi que a prova me escolheu.

Fui participar da minha última corrida em 2014 e encontrei o Stjepan que organiza a UTTP e a PIM no sul do Chile dentro do Parque Nacional Torres del Paine, depois da corrida fui cumprimentá-lo pelo resultado e ele me convidou a participar da Ultra Fiord, evento de ultra distância que vai entrar no calendário mundial de corridas de 100 milhas (160km) nela também acontecem as provas de 100km, 70 e 30km. Se você já viu fotos do lugar sabe que seria um convite irrecusável. Assistindo aos vídeos dá vontade de sair pra treinar.

Agora só falta ser aceito na distância de 100km, pois tenho que apresentar requisitos prévios.

Enzo Amato

Vulcano Ultra Trail 2014 (VUT)

A subida do km vertical me matou, mais de duas horas de inclinação feroz e constante encarando o vulcão de frente para somar 8km à prova, já não era início nem tampouco o final, faltavam 12km ainda. O Lago todos los Santos junto com outros vulcões e montanhas nevadas me rodeavam, mas era preciso parar para olhar, pois a descida foi tão violenta para as pernas trêmulas que não permitia desatenção ou contemplação, só agilidade e força. Os 35km me tomaram mais de 5hs e depois disso, sem que houvéssemos combinado, todos diziam – foi dura, mas linda.

A prova de 35km começou as 9hs, saímos de Puerto Varas às 6:45 de ônibus para chegar ao Parque Nacional Vicente Pérez Rosales, o mais antigo do Chile, uma hora depois. Como já tinha quase tudo pronto pude ver passar a turma que já corria as provas de 80 e 64km, iniciadas às 3 e às 6 da manhã respectivamente, passavam a passos lentos bordeando o lago, que mais parecia praia de areia fina e escura, na verdade eram pedras vulcânicas que um dia desceram do vulcão Osorno 2600m acima.

Quebrada Jurásica

Comecei forte, pois sabia que alguns trechos eram mais difíceis e seria difícil ultrapassar os mais lentos, a câmera estava no bolso da mochila, pretendia usá-la em pontos relevantes de beleza ou dificuldade, tracei na cabeça que seria uma prova de 23km, ponto de retorno da subida, a partir dai seria só descida e sabia que suportaria mesmo cansado, por isso forcei o ritmo para uma prova curta, aos poucos fui percebendo que a todo instante tinha que tirar a máquina para mostrar o que acontecia e por onde eu passava, flores, bosques, trilhas estreitas, descidas, subidas, tudo e mais um pouco, terreno de difícil progressão, no km 5 e 6 subia por um rio seco chamado de quebrada jurásica, com grandes pedras e desníveis que exigiam o uso das mãos como apoio, o ritmo caiu bastante e de repente via o lago e as montanhas, outra vez tiro a câmera e começo a mostrar, fazia mais calor do que imaginei, mas ainda tinha que subir o km vertical na segunda metade da prova e esperava por mais frio, continuei correndo no meu limite, mas a corrida, na sua parte “mais fácil” se mostrava um verdadeiro desafio de trail running, com todo tipo de percurso, só faltou chover ou nevar para complicar mais.

Era a minha vez de bordear o lago e ser observado pela turma que faria 15km e largaria em poucos minutos, passei pelo ponto de abastecimento, carreguei de água, comi uns frutos secos e parti para a parte mais difícil, sem aspas. Já cansado, mais pesado pela água na mochila, correndo na areia e na subida, a impressão era de não sair do lugar, aos poucos o terreno foi mudando e a inclinação aumentando, em certo trecho subia em pedras enormes e por sorte, nesse dia, secas e aderentes. O topo do vulcão aparecia entre as nuvens e bem antes delas, mas ainda assim bem pequenos, outros corredores, a câmera saiu do bolso várias vezes, podia ver o lago e as montanhas cada vez mais do alto, corredores pequeninos lá no alto e corredores pequeninos lá embaixo, com quase 4hs de prova, sendo duas delas só para subir 8km e alcançar os 1170m.

Foto: Paolo Avila

Cheguei ao ponto de retorno, checaram meu número e comecei a descer, pensei que poderia fazer boas imagens da descida com o vulcão ao fundo e o lago a frente, mas me surpreendeu o grau de dificuldade do terreno, com pedras soltas e uma inclinação que nunca havia corrido antes, em determinado trecho descia forte e percebi que não conseguia frear e minha velocidade aumentava cada vez mais a ponto de não saber o que fazer nos próximos passos, até que um ponto de elevação apareceu e consegui parar, fiquei mais ligado e com a adrenalina a mil, queria mais, queria chegar nos corredores a frente, saber que eu podia descer bem apesar do cansaço, segui firme, as pedras entrando no tênis e eu lembrando das polainas que ficaram em casa,

Faltava pouco, mas já considerava a corrida mais animal que fiz.
Foto: Paolo Avila

passei o tapete, tomei água, comi frutos secos, parei, tirei as pedras, a partir daí eram mais 5km planos, cada vez mais perto da entrada do parque e por onde pessoas passam, já não era mais as trilhas recém marcadas pelos corredores, voltava a parecer areia da praia que segurava, mas a mente fazia o corpo correr até o fim.

Cheguei deslumbrado com o que 7 amigos conseguiram organizar após voltarem de uma prova legal que haviam corrido, numa conversa de bar tiveram a ideia de organizar uma prova no quintal de casa e assim nasceu a VUT, e com apenas 2 aninhos atingiram o número estabelecido pelo parque de mil corredores e foi uma das melhores e mais difíceis provas de trail running que já fiz, já levando em conta, organização, cidade sede, percurso e visual. Foi uma corrida de corredores para corredores,como eles gostam de enfatizar. O único pesar é que os organizadores combinaram entre eles de não correr, só trabalharam, não sei nem se conseguiram comer o ceviche de salmão com palta que era oferecido aos corredores na chegada por um dos patrocinadores, a cerveja artesanal ou o cachorro quente… fui para massagem com os fisioterapeutas, fiquei 10min com as pernas no lago, assisti a chegada emocionada de muitos, peguei o ônibus e voltei pro hotel.

Para 2015 eles pretendem criar um percurso de 100km que circunda o vulcão, para dar 3 pontos na UTMB e mais duas distâncias que deem 1 e 2 pontos, além dos 15km como desafio aos debutantes nas trilhas. Ressalto que dos mil, 14 países estavam representados, mais de 30% eram mulheres e 66 eram brasileiros.

Como chegar: De Santiago, um voo ao sul de 1h15 até Puerto Montt, depois meia hora de carro até Puerto Varas, cidade de 40mil habitantes com muitos hotéis bons, boa comida, variedade de passeios turísticos com paisagens e natureza.

O que usei:

  • Tênis: The North Face Ultra Trail;
  • Meias: 2 pares de poliamida Quechua e Nike;
  • Calça legging: Adidas running;
  • Camiseta térmica nike e 1ª pele Columbia;
  • Mochila: Diosaz 10 Quechua. Dentro dela corta vento Montagne, 1ª pele Ansilta e luvas Quechua;
  • Óculos de sol: Briko;
  • Relógio: Polar V800;
  • Câmera: GoPro Hero 2.

Assista ao vídeo da prova.

 

Até a próxima.

Enzo Amato

Vulcano Ultra Trail (VUT)

Há poucos dias de encarar de frente o vulcão Osorno, em Puerto Varas, no sul do Chile, na Vulcano Ultra Trail, a euforia e ansiedade já estão à flor da pele.

Foto: Patricio Oberg

Fiz outros textos sobre essa prova há alguns meses atrás e agora deixo só o que me impressionou sobre os cuidados da organização para com os atletas para que pudéssemos nos preparar adequadamente ao longo dos meses tanto nos treinos quanto na escolha de equipamentos específicos para as condições que vamos encontrar.

  • Fizeram uma planilha especificando em quanto tempo mais ou menos passaremos nos pontos de controle, para 3 níveis de corredor, elite, guerreiro ou herói. Planejei minha alimentação como guerreiro e vi por essa previsão que a prova é difícil, já que os primeiros colocados nos 80km da elite devem concluir em mais de 9hs.
  • São 4 distâncias e mesmo quem vai nos 35km como eu, poderá olhar o vulcão de frente subindo até um dos pontos mais altos do percurso a 1170m.
  • Fotos do percurso, altimetria, altitude máxima, desnível acumulado, inclinação média etc… tudo está no site.
  • Sinalização de percurso diferente para as 4 distâncias, cada uma com sua cor;
  • Prognóstico de tempo durante a prova;

Mas nada foi tão legal quanto explicar como ser um corredor de ultra trail nesse vídeo.

As impressões do local, da entrega de kits, simpósio técnico e da corrida em si, faço quando voltar. Aguarde textos e vídeo.

Até breve.

Enzo Amato

Ultra Maratón Aconcágua, não oficial.

No km 10 haviam umas 30 pessoas paradas em frente a ponte e um carro da polícia dizendo que a corrida estava cancelada, vi os corredores a minha frente esquecerem a ponte e passarem pelo rio com água até as canelas e seguir caminho, antes de fazer a mesma coisa ouvi um pedido de desculpa de um dos organizadores e continuei a correr forte como antes, mas assim que cheguei ao 14º km me disseram que corrida estava cancelada, que nada daquilo estava contando e me recomendaram dar meia volta.

Tudo começou perfeitamente bem amparado, como uma prova em ambiente inóspito deve ser. Fiz 3 dias de aclimatação, ao menos 2 eram obrigatórios para os corredores de 50km, na entrega de kits passei por um controle médico, feito por médicos que trabalham na montanha na temporada de escaladas, respondi a várias perguntas, mostrei o atestado médico detalhado, os equipamentos obrigatórios, paguei a entrada ao parque. Eu e mais 500 corredores de 15 países estávamos prontos para participar da primeira, e talvez única edição, da Ultra Maratón Aconcagua. No congresso técnico nos explicaram para oferecer ajuda a qualquer corredor que possa parecer precisar e avisar os staff do percurso, e que naquele local estávamos correndo sob as regras do montanhismo e não simplesmente de uma competição, tínhamos 2 helicópteros para resgate, todos os staff do percurso eram experientes em montanha, na metade do caminho faríamos outro controle médico respondendo perguntas e medindo saturação de oxigênio, enfim, tudo parecia muito bem organizado e deixava uma boa impressão.

Minutos antes da largada o locutor nos disse para esquecermos a manifestação que nos esperava no caminho e seguir correndo. A essa altura não me passava pela cabeça que teriam o poder de cancelar a corrida.

A largada foi dada as 7:30 para os quase 200 corredores dos 50km, fizemos um trecho plano de 2km antes de sair dos 2740m.s.n.m. rumo aos 4200m e retornar para o mesmo local. O pessoal dos 25km já começou subindo, largando meia hora depois.

A paisagem era muito bonita apesar do dia ter amanhecido nublado diferente dos dias anteriores de sol e céu azul, o Aconcágua estava encoberto, talvez sabendo do vexame resolveu esconder a cara. Quando cheguei ao km 10 passei por um carro da polícia que disse que a corrida estava cortada, depois vi cerca de 10 pessoas bloqueando a pista e corredores subindo o morro ao lado fazendo meia lua para desviar desses 10 gatos pingados, um dos staff nos avisava para não seguir, mas daquele ponto eu via corredores cruzando o rio e seguindo caminho, pois a uns 100 metros adiante outras 20 pessoas aglomeradas bloqueavam a passagem pela ponte, como qualquer corredor de trilha faria e sem pestanejar, todos atravessaram o rio com água nas canelas sem dificuldade. Até esse momento nada me havia parecido um incômodo e imaginava que como poucos corredores haviam passado até então, os organizadores não sabiam muito bem o que fazer, mas os próprios corredores deram um jeito e passaram pelo problema, assim como escutamos antes da largada, isso não me custou mais do que um minuto, e com toda a adrenalina da prova eu segui forte e subi forte até o 14º km a 3400m local chamado de confluencia, metade da subida da prova, onde uma tenda de hidratação esperava os corredores para o controle médico, bebidas e comidas, cheguei nesse ponto filmando e alegre com meu desempenho, pois me sentia realmente bem, anotaram meu número a médica me fez as perguntas, me observou, fez o teste de saturação de oxigênio e quando eu perguntei se podia sair ela me jogou um balde de água fria dizendo que a corrida estava cancelada, outro me recomendou fortemente que retornasse porque daquele ponto em diante eu estaria por conta própria e que o clima estava ruim mais acima, corredores fortes estavam na tenda e desceram, mesmo assim eu vi um ou outro corredor subindo e escutei outro dizendo que alguns que já haviam subido eram guias de montanha, então vesti mais um agasalho e o corta vento e disse ao staff que subiria mais um pouco até onde me sentisse seguro e depois retornaria, eles anotaram meu número para saberem que eu estava na montanha. A partir desse ponto minha corrida forte se tornara um trekking, passei a caminhar, não pelo cansaço, mas pela desmotivação, prestava muita atenção ao percurso e ao relógio para controlar a hidratação, a alimentação e saber a quanto tempo eu estava da tenda. Aos poucos fui vendo que o número do altímetro subia, que as marcações de percurso estavam nos lugares, o terreno era “corrível” e eu me sentia bem, então passei a correr novamente pensando em atingir metas de altitude, reprogramei minha prova e tentava pensar em aproveitar meu dia da melhor forma, ainda que em vários momentos eu tentava entender como um grupo de pessoas conseguiu cancelar um evento internacional onde a secretária de turismo da província de Mendoza e o secretário de turismo nacional estavam presentes no simpósio técnico discursando sobre a importância do turismo no local…

Quando meu relógio marcava 19km vi o primeiro corredor voltando, quando o segundo passou perguntei até onde ele havia ido, ele disse rapidamente, até o mirador e seguiu forte. Isso me animou a chegar até o mirador, que é o lugar de onde se observa a parede sul do Aconcágua bem de perto com 3mil metros de altura, imponente e cheio de energia. Gravei bastante nesse ponto onde haviam vários staff muito animados por sinal, tomei água quente, comi algumas nozes, anotaram meu número, fizeram tudo como se deve, gravaram vídeo, fizeram fotos, senti como se a corrida estivesse valendo novamente. Originalmente o percurso seguiria por mais 2km a frente, mas todos estavam retornando nesse icônico marco que é o mirador de la pared sur, e eu estava contente de ter chegado a mais de 4mil metros correndo sem sentir nada de diferente no corpo além do cansaço de ter subido por quase 4hs. A volta foi bem mais fácil, a corrida rendia, o percurso exigia agilidade apenas em alguns pontos, mas atenção sempre, voltei para a tenda em confluencia aos 3400m avisei aos médicos que havia voltado, lá alguns corredores estavam bem exaltados e inconformados, pois tudo seguia com controle, mas nada estava valendo. Continuei a descida, o vento resolveu acelerar e passei mais frio a 3mil metros do que a 4mil, mas estava com as roupas certas e isso não incomodou, corri tudo e cheguei, o pórtico estava lá, o relógio estava lá, também o tapete de cronometragem, os organizadores, o isotônico, o chá quente e o guarda volume, mas até agora não entendo e não me conformo com a decisão de cancelar a prova.

Apesar de ter desfrutado de boa parte das 6h45 de corrida eu queria que ela fosse oficial e não virasse um super treino de luxo como eu a batizei durante a descida.

Depois, conversando com mais pessoas, soube que eram funcionários do parque revindicando sei lá o que, mas conseguindo afundar mais a imagem do país. Disseram que um dos primeiros corredores foi empurrado pelos manifestantes, mas todos que vi desviaram e não tiveram problemas, e todos que me contaram também disseram o mesmo, todos cruzaram o rio. O terceiro colocado geral, que estava hospedado no mesmo hostel que eu, soube do cancelamento da prova só depois de ter corrido 3/4 do percurso.

Fiz um vídeo com lindas imagens, de um percurso desafiador, ao lado da montanha mais alta do mundo fora dos himalaias, mas que a decisão equivocada de um organizador conseguiu ferir tanto a própria imagem, que mesmo com todos esses atrativos do local não sei se conseguirão retomar a credibilidade para uma próxima edição, só tenho a lastimar que mesmo tantas boas impressões iniciais conseguiram se apagar tão facilmente.

Escrevo esse texto menos de 24hs depois da prova e sem ter lido a explicação da organização, vou ler agora e se tiver que adicionar ou comentar qualquer outro parágrafo a este texto, deixarei registrado nos comentários logo abaixo.

Enzo Amato

1º vídeo Ultra Trail Torres del Paine 2014.

Frio, vento constante e lindas paisagens, na patagônia chilena o clima pode mudar a todo instante e isso é aventura na certa para quem gosta de corrida.

Em breve o vídeo com mais detalhes. Leia o texto de como foi a prova. Clique aqui.

Enzo Amato.

Ultra Trail Torres del Paine, minha corrida!

67km de muito vento gelado.

A impressão mais marcante foi essa, o vento, nem os 5000 metros de desnível acumulado ou as 11hs que levei para concluir o percurso impressionaram tanto quanto o vento, que por algumas vezes quase me jogou no chão. A paisagem com montanhas nevadas de 3mil metros e picos escarpados me deixavam em transe em alguns momentos, mas ora uma rajada mais forte me pegava desprevenido ora era anunciada pelo barulho das árvores que balançavam freneticamente e me deixavam alerta outra vez.

Momentos antes da largada, eu e Harry com 2 das poucas mulheres dos 67km.

A primeira edição da Ultra Trail Torres del Paine limitou em 100 pessoas distribuídas nas 3 distâncias, 109, 67 e 42km e eu estava entre os 34 atletas que largaram nos 67km em frente ao hotel Rio Serrano assim que o dia clareou as 7:30. Os primeiros kms ainda em estrada de cascalho me colocaram a par da realidade, uma lebre correndo pra todos os lados e mais adiante um condor voando baixo, sabia que em breve estaria nas trilhas do parque fazendo parte da natureza e era isso o que eu queria.

Cheguei a marca de 10km e só peguei uma banana no posto de abastecimento, ainda não precisava reabastecer a mochila, a trilha era em campo aberto e o vento muito gelado, meus batimentos estavam no limite que eu queria, mas por aquele frio eu não esperava, arriscava abrir um pouco o zíper do corta vento para que o suor evaporasse, mas tinha que administrar o abre e fecha para não ficar com mais frio ainda. Cheguei ao refúgio no km 26 que era um dos pontos de abastecimento com quase 3h de prova, peguei um café e uma barra de chocolate, pois os torrones que tinha levado pareciam pedras por causa do frio, havia largado com -3°C e àquela altura não estava muito mais que isso, a máxima do dia era de 7°C, saí do refúgio e comecei a subir um vale com mais vento encanado vindo de frente, levei mais de 1h só para esses 5km, mas o ponto de retorno me mostrou mais da natureza selvagem, estava no mirador Grey, de lá podia ver o glaciar Grey do alto, uma enorme massa de gelo com vários kms de extensão, fiz pose pra foto e fiquei admirado ao ver um fotógrafo e outros 2 caras marcando os atletas, a mercê do vento e do frio, tentava imaginar que roupa eles precisavam vestir para conseguir ficar ali por horas. Desci fácil, com vento a favor e cheguei novamente ao refúgio, desta vez km 36, me ofereceram macarrão, e para quem estava comendo torrone duro aquilo parecia um banquete, peguei meu prato sem molho, mais barras de chocolate e água, pois sabia que dali em diante só encontraria água nos rios. A trilha me guiava a circundar a montanha, vez ou outra encontrava com turistas fazendo trekking e só via as marcações do próprio parque e nenhuma da prova, como foi dito, isso chegou a atrapalhar alguns atletas, a edição inaugural serve de teste, passei por mais alguns refúgios, mas estes eram só para emergências, estava bem abastecido e podia me virar com o que carregava comigo, apesar de não poder entrar no país com o que costumo comer em provas, que é damasco seco, amêndoa e castanha do Pará, me virei com os torrones/pedra e chocolates. Quando me acercava mais da montanha uma leve chuva começava a cair, isso por causa do microclima das montanhas que muda com muita frequência.

Num momento da prova consegui tirar o corta vento e as luvas porque o sol aparecia com mais regularidade, enchi meu reservatório de água quando passei por um rio já por volta do km 50 com quase 8hs de prova, quando um dos joelhos começou a incomodar bastante e me fez reduzir o ritmo. Alguns corredores que estavam comigo no início da corrida se aproximaram e a chegada deles me motivou a acompanhá-los mesmo com muita dor, se estivesse sozinho certamente estaria caminhando e foi assim até chegar ao ponto mais difícil, uma subida íngreme de quase 400m verticais, nesse momento comecei a me sentir estranho, não sabia se estava com frio ou calor e a 3ª colocada feminino que estava comigo, abriu uma distância considerável, parei por um momento e resolvi vestir o corta vento novamente, comi e me hidratei, imagino que se demorasse mais para reagir teria tido uma hipotermia, não quis pagar pra ver, logo estava correndo novamente em direção ao ponto mais alto do percurso km 62, depois daquilo era só descida e quase todo meu peso na perna esquerda para aliviar a outra, completei os 67km em 11h08 depois de ter curtido toda minha prova e lidado com todas as dificuldades que apareceram, foi pra isso que eu fui. Adorei! 

Essa prova exige que você tenha experiência em provas de trilha e leve todo o equipamento que achar necessário, pois a falta dele pode custar caro.

O que usei:

  • Tênis: Asics Gel Fuji Racer 3
  • Camiseta térmica manga curta: Nike
  • Manguito: OG
  • 2 bandanas, uma no pescoço e outra na cabeça
  • Calça Legging: Adidas running
  • Luvas: Quechua
  • Óculos de sol: Briko
  • Câmera: GoPro Hero 2
  • Bastão de trekking: Boomerang
  • Mochila: Quechua Diosaz Raid 10
  • Corta vento: Montagne
  • Relógio: Polar RS100

Leia o que achei da UTTP e da PIM, suas diferenças e pontos a corrigir. Clique aqui. Se esteve lá deixe sua opinião.

Em breve o vídeo com mais detalhes sobre a prova.

Enzo Amato

Ultra Trail Torres del Paine e Patagonian International Marathon 2014

Foi um fim de semana de tirar o fôlego e tremer o esqueleto.

Encontrei muitos brasileiros, de Goiânia, BH, Recife, Porto Alegre, RJ, SP, Sorocaba, a turma da Ericsson, enfim dos quatro cantos do país e estrangeiros também, argentinos e alemães, que disseram estar lá por causa do vídeo que fiz ano passado. Perguntei a muitos deles depois da corrida o que eles tinham achado da prova, e aqui deixo algumas impressões minhas e deles.

Foram dois eventos diferentes, a UTTP na sexta com as distâncias de 109, 67 e 42km por trilhas e apenas 100 corredores de 15 países, que era o limite técnico para essa primeira edição. E no sábado a PIM com 4 distâncias 63, 42, 21 e 10km, essa com mais de 1000 corredores de 33 países (35% estrangeiros) sendo que 173 eram brasileiros e representavam 16% do total, ou aproximadamente metade dos estrangeiros, a sensação era de que o sul do Chile falava português naquele fim de semana.

  • A UTTP é simplesmente selvagem, natureza 100% do tempo, sem cruzar com carro e encontrar apenas alguns turistas pela frente. A trilha não é lamacenta nem escorregadia, tem desnível considerável, poucos pontos de abastecimento e rios de degelo potáveis, é uma prova relativamente de auto suficiência.
  • A PIM é toda por estrada de cascalho com paisagens lindas e incontáveis momentos para fotos panorâmicas de cartão postal. Treinos de subida devem fazer parte da preparação, conta com alguns pontos de abastecimento, mas é melhor se garantir e largar com o que gosta de comer e com certa quantidade de água para recarregar apenas uma ou duas vezes. Não passa por rios de degelo, por isso água só nos postos mesmo.

O vento foi fator determinante nas duas provas, coisa que em 2013 passou despercebida, a escolha do equipamento certo fez diferença, bem como da alimentação, o torrone que eu tinha parecia pedra e me custou muito comê-lo. Até abrir a embalagem era difícil, pois o vento forte e frio limitavam os movimentos das mãos, as duas provas necessitam de pequenas correções como marcação do percurso ou presença de staff na UTTP, pois algumas pessoas se perderam e outras ficaram na dúvida acarretando alguns equívocos na ordem de chegada, camiseta do evento como do ano anterior, enfim, pequenos detalhes facilmente corrigíveis. Tem que se levar em consideração que tudo rola dentro de um parque nacional onde a proteção à natureza é o mais importante e o que parece fácil e básico numa corrida na cidade pode não ser tão simples num lugar assim.

Largada dos 63km Patagonian International Marathon

Para 2015 a intenção é separar as duas provas, uma no fim de setembro e outra no início de outubro, já que uma não precisará mais da publicidade da outra. A PIM atingiu o limite de inscritos e a UTTP tinha mais de 10mil curtidas antes mesmo da largada.

Ano que vem a NIGSA, organizadora das provas, deve inaugurar a distância de 160km também dentro do parque para entrar de vez no cenário mundial de ultras distâncias.

Em breve assista ao vídeo das duas provas, deixe seu comentário e se quiser contar como foi essa experiência para você, entre em contato comigo, seu texto pode ficar aqui no blog para futuros corredores e admiradores.

Espero poder voltar em 2015 e encontrar muita gente animada como encontrei esse ano, foi um prazer conhecê-los e espero que possam comentar o texto para que mantenhamos contato.

Enzo Amato

Pontos para a UTMB, a ultra mais famosa da Europa.

Já está rolando a Ultra Trail du Mont-Blanc 2014 (UTMB).

Para participar da Ultra mais famosa da Europa, que circunda a mais alta montanha deste continente é preciso juntar pontos nos 2 anos que antecedem o evento. Na distância principal, de 168km, passou de 7 para 8 pontos em até 3 eventos. Tarefa bem difícil para aventureiros diga-se de passagem.

Por exemplo a maioria das corridas que tem até 80km dão 2 pontos, e seria preciso fazer outras duas corridas maiores para juntar 3 em cada uma delas, num período de 2 anos, para galgar seu caminho e concorrer a uma disputada vaga, por sorteio, na UTMB. Sim, mesmo com esse árduo caminho para poder se inscrever a prova recebeu mais de 6mil inscrições em 2014 para um limite de 2300 atletas. É provável que em fevereiro de 2015 anunciem outra forma para selecionar atletas.

Outras 4 provas igualmente com desnível positivo absurdo fazem parte da festa junto com a UTMB, a TDS de 119km, a CCC com 101km e a OCC com 53km, sem falar na PTL que é outro tipo de desafio.

Nessas outras de 101 e 119km é preciso de “apenas” 3 pontos em uma ou duas corridas, já a de 53km não exige pontos.

Um dia pretendo participar, mas por enquanto vou subindo degrau por degrau, ganhando bagagem e conhecendo outros lugares desse mundão grande sem porteira. (visite o site). Se você nunca ouviu falar, se já foi, ou quer ir um dia, deixe sua mensagem abaixo.

Enzo Amato.

Ultra Maratón Aconcagua (UMA)

O desafio invisível na montanha mais alta das Américas!

Não importa se vai fazer 25 ou 50km dia 29/11/2014, nas duas distâncias disponíveis no ano de lançamento da UMA, o desafio real são as condições climáticas que a montanha vai impor aos atletas no dia da corrida e a altitude a ser vencida.

Aqui não se escolhe a distância como desafio, mas a altitude. A corrida já começa a quase 2750m.s.n.m. nessa altitude a temperatura varia entre -2º a noite e 30º durante o dia no verão e a medida que se sobe a temperatura diminui, o clima é sempre frio e seco e rajadas de vento podem chegar a 200km/h. Os atletas que farão 25km subirão até 3400m e a turma dos 50km a impressionantes 4200m.s.n.m. A montanha pode te oferecer períodos de céu aberto para curtir a paisagem, como também, em questão de segundos, uma cerração forte para te fazer enxergar somente os próximos passos, enquanto a medida que se sobe ela vai tirando o oxigênio e te obrigando a ir cada vez mais devagar. Nosso desafio será invisível e conquistar a quilometragem será o mais fácil deles, enquanto que acertar nas roupas à medida que o clima muda, ter os equipamentos e ajustar o ritmo de corrida, vai exigir cabeça no lugar e experiência.

Conheça o site do evento.

A edição de 2014 já está com lista de espera, mas vale ficar ligado para vagas de desistentes, ou se programar para 2015.

Enzo Amato

Passada a corrida…foi um fiasco que jogou o nome da maior montanha das Américas na lama, leia a crônica.